Tecidos inovadores para a Moda Sustentável


Veja matérias-primas pouco comuns da moda sustentável

Dentro de uma perspectiva de reutilização e reaproveitamento, uma série de insumos podem ser trabalhados e utilizados como fibra para a confecção de tecidos.





Muito se fala no quanto a indústria têxtil polui o meio ambiente.

Diversas matérias em sites e canais de TV já denunciaram más condições de trabalho e até situações análogas à escravidão as quais passam trabalhadores de grandes marcas e franquias.

Contra esses acontecimentos é que a moda sustentável e o consumo consciente tem conquistado cada vez mais espaço na opinião pública e também no mercado.

Aqui queremos destacar o cenário de transformação que se fortalece a partir de uma mudança no pensamento do consumidor e do crescimento de uma preocupação global com temas como sustentabilidade e meio ambiente.

Tecidos também podem partir de matérias-primas “incomuns”

Você sabia que é possível fabricar roupas a partir de fibras de frutas como abacaxi e banana? Já imaginou em vestir uma camiseta feita com leite?

Parece loucura, né? Que nada! Tecidos sustentáveis feitos com as mais diversas fibras, de algas à soja, têm ganhado lugar no mercado para encarar de frente a corrente do fast fashion.

Vamos listar abaixo algumas matérias-primas que você pode nunca ter parado para pensar, mas se manipuladas da forma correta, podem dar origem a diversos tipos de fibra para tecido.


Leite

Neste caso a fibra para uso têxtil é obtida a partir da proteína do leite coalhado. O QMilk é natural e 100% renovável, com textura e aspecto que lembra a seda.


Café

Tudo se trata de saber reaproveitar. A borra do café, quando tratada da forma correta, cria uma fibra que pode ser facilmente usada para confeccionar casacos, blusas ou qualquer outra peça de vestuário.

Diz-se que o processamento da borra de café requer bem menos energia que outros meios convencionais, apresentando-se como uma solução mais sustentável.


Soja

As fibras da soja são 100% biodegradáveis. A partir da otimização dos insumos e restos da produção da soja, pode-se obter as fibras - que dão origem a tecidos leves e macios.


Fermentação

Processo químico comumente usado na culinária e no ramo de bebidas, a fermentação pode criar um novo material.

O B-Cel é um composto produzidos por microorganismos que, a partir da fermentação, transformam nutrientes em nanofibras de biocelulose, uma espécie de fibra que depois de colhida passa por um processo de desidratação e tingimento com pigmentação natural.

O tecido resultante desse processo é leve, translúcido, resistente e biodegradável!


Resíduos de alimentos

Depois de abacaxi, banana e mamão, chegou a vez do coco servir de fibra para a criação de tecidos. A tecnologia que processa a fruta pode, inclusive, ser alternativa ao rayon - feito a partir de algodão ou celulose.

A fibra de resíduo de coco é criada através de um processo de fermentação natural em que a biomassa do coco se transforma em celulose - que depois é convertida na fibra.


Aqui na NATTZ apostamos em diversos tecidos com viés ecológico. Além da linha criada partir da reciclagem de garrafas PET, também utilizamos algodão 100% orgânico (cuja produção não envolve o uso de agrotóxicos e nem pesticidas. Saiba: 1 kg de agrotóxico contamina 1 bilhão de litros d’água), algodão desfibrado (produzido através da reciclagem de retalhos provenientes da indústria do vestuário) e o tecido modal (produzido a partir de polpa de madeira, onde sua produção recicla 99,7% dos produtos químicos, que acabam não indo parar no meio ambiente). È dessa forma que queremos oferecer produtos de qualidade, com conforto e estilo, engajando as pessoas em torno de um consumo mais consciente e responsável.

Comentários

Postagens mais visitadas